O número de brasileiros com acesso à internet não para de crescer. De acordo com o IGBE, em pesquisa realizada em 2019, são 46,5 milhões de domicílios com acesso à internet, 67% do total. Entre os usuários da internet, por exemplo,  48% adquiriu ou utilizou algum tipo de serviço on-line, como aplicativo de táxi, serviço de streaming ou delivery. De qualquer maneira, ainda são 32% sem acesso à rede e quando o assunto é tecnologia 5G, a questão é ainda mais complexa.

O 5G é o próximo passo evolutivo para a banda larga sem fio. Ela eleva o patamar da rede atual, conhecida como 4G, alçando a banda larga móvel      a altíssimos padrões de velocidade de conexão e de usuários simultâneos. Em síntese, as redes 5G proporcionam aos usuários uma cobertura mais ampla e eficiente, maiores transferências de dados, além de um número muitíssimo maior de conexões simultâneas.

As redes da quarta geração, utilizadas atualmente em algumas regiões do Brasil, são capazes de entregar uma velocidade média de conexão de 33 Mbps, já o 5G é capaz de entregar velocidades 50 a 100 vezes maiores, allcançando até 10 Gbps. Com mais cobertura e volocidade. Com o 5G, as portas se abrem para a ampliação da internet das coisas.

A infraestrutura para receber  esta tecnologia passa a ser ampliada nas economias com foco no desenvolvimento tecnológico. Por exemplo, a China possui a maior cobertura 5G do mundo, presente em mais de 50 cidades. Outro destaque da rede chinesa é o baixo custo, que já estimulou mais de     10 milhões de pessoas a se cadastrarem para ter acesso ao  serviço.

De acordo com o Annual Internet Report de 2020, da Cisco, a tendência para os próximos 3 anos é de que apenas 6% das conexões no Brasil sejam com 5G. Neste mesmo relatório, o Brasil apresenta dados positivos com relação à tecnologia 4G. Para o período até 2023, a previsão é de que 58% das conexões brasileiras sejam neste padrão. O número é superior à média global, de 46% do total, e também à da América Latina, de 50%.

Há ainda muitas incertezas quanto ao 5G no Brasil. O leilão para as operadoras de telecomunicações, previsto para o final de 2020, pode ser adiado em razão da pandemia causada pelo novo coronavirus.

E você, o que espera com a chegada do 5G?