Transmissão por fibra óptica

Conheça os dois tipos da tecnologia mais veloz e estável da atualidade

 

Navegar pela internet, fazer uploads/downloads e transmitir grandes volumes de dados com velocidade e estabilidade é uma necessidade para o usuário comum e para empresas de diversas áreas.
Hoje, a fibra óptica é o material mais usado para garantir o aumento de capacidade de tráfego de voz, vídeo e dados de alta velocidade, devido ao nível elevado de fiabilidade que garante seu desempenho.
Esses filamentos extremamente finos são capazes de transportar dados, por meio de sinal luminoso, por longas distâncias, com as vantagens da baixa possibilidade de interferência.
A transmissão de dados pode ser feita por dois tipos de fibra óptica: monomodo (SM) ou multimodo (MM).
A principal diferença entre os dois tipos é a direção para a qual o sinal é transmitido. No caso da fibra monomodo, a luz percorre um único caminho pelo núcleo interno para ir de um lado ao outro. Enquanto na fibra multimodo a luz se propaga por vários caminhos.
A fibra monomodo pode ter de 1.310 ou 1.550 nanômetros de comprimento de onda, o que representa maior desempenho do que a fibra multimodo, que tem comprimento de onde de 850 nanômetros.
Conhecer qual tipo de fibra óptica será usado é indispensável para garantir a segurança de toda a infraestrutura existente.

 

Principais matérias-primas da fibra óptica
– Plástico reflexivo
– Sílica pura ou dopada
– Vidro composto

 

Características do núcleo da fibra óptica
Monomodo – o núcleo desse tipo de fibra óptica é mais estreito e mede entre 8 a 10 micrômetros, que também se caracteriza pela casca de reflexão mais espessa.
Multimodo – tipo de fibra com núcleo que mede cerca de 62,5 micrômetros.
Importante: ambas têm casca de 125 micrômetros, ou seja, mesmo diâmetro final.

 

Como cada tipo funciona?

 

Monomodo

Alcance: limitado a 4 km para cabeamento estruturado.
A fibra do tipo monomodo permite que a luz trafegue dentro do núcleo por um único caminho, sem reflexão, o que permite o alcance a longas distâncias.
Uma grande vantagem do seu uso é alcançar maior banda passante por ter menor dispersão, oferecendo maior qualidade de sinal e menor interferência nos dados transmitidos.
O custo da fibra monomodo é mais elevado. Um dos motivos é que sua fonte de luz para geração de sinal são os Diodos Laser, que possuem um desempenho superior ao LED, mas com preço mais alto.
Outro ponto que eleva o custo é a dificuldade de manuseio em caso de emendas, que exige muita técnica para alinhar as fibras. Contudo, para distâncias maiores é uma ótima opção pois há mais facilidade de instalação, o que compensa o preço mais elevado.

 

Multimodo

Alcance: 2 km, no máximo, em cabeamento estruturado.
A fibra multimodo tem limite máximo menor que o da fibra monomodo, além de taxas de transmissão mais baixas.
Como o núcleo é bem maior, quando comparado ao monomodo, a luz tem mais espaço para passar pela fibra, se propagando de modo menos linear, portanto, em diversas direções. Assim, mais de um feixe de luz pode ser enviado ao mesmo tempo.
É importante ressaltar que diâmetros grandes facilitam o acoplamento de fontes luminosas e requerem pouca precisão nos conectores.
Esse tipo de fibra normalmente usa fontes de luz com menor intensidade, como os Diodos Emissores de Luz (LED), que têm custos menores.
O tipo multimodo pode ser classificado ainda a partir do seu índice de refração, que pode ser degrau ou gradual.

 

Qual tipo escolher?

A escolha do tipo de fibra óptica depende de fatores como a distância a ser percorrida pelos dados transmitidos e a função a ser desempenhada.
A fibra monomodo é indicada para comunicação de longa distância, pois alcança vários quilômetros sem grandes variações de sinal e transmite grande quantidade de dados.
Sua aplicação é ideal para projetos de segurança eletrônica, por exemplo, em que a câmera é instalada em locais por vezes distantes da sala de monitoramento.
A fibra multimodo é a mais comum para redes internas, pois o sinal transmitido para curtas distâncias consegue manter a qualidade.
Seu funcionamento garante transmitir dados de fontes múltiplas, onde vários dispositivos realizam troca de pacotes simultaneamente.
Esse tipo de fibra é o mais aplicado em residências, backbone de edifícios comerciais e cabeamento horizontal.

 

O que analisar na hora de escolher?

Nomenclaturas:

CFOAC = cabos de fibra óptica por acesso;
X = tipo de fibra óptica;
Z = quantidade das fibras;
K = o nível de proteção em casos de incêndio.

 

Fibras reconhecidas pela norma NBR 14565:

Monomodo – OM1, OM2, OM3 e OM4
Multimodo – OS1 e OS2